Fórum de Competitividade vai estruturar política nacional de biotecnologia

O governo federal instalou, no dia 14 de setembro, o Fórum de Competitividade da Cadeia de Biotecnologia, uma das áreas consideradas prioritárias na política industrial e de comércio exterior, anunciada em maio último. O fórum, criado pelos ministérios do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e da Ciência e Tecnologia (MCT), vai reunir setores público e privado, além de universidades e institutos de pesquisa, para estruturar a política nacional de biotecnologia que permita consolidar uma indústria competitiva com projeção internacional.
A nova política deverá ter como foco os estudos de genes e proteínas, cujos avanços prometem consolidar as inovações que dominarão o mercado dentro de alguns anos, na expectativa do governo federal.
A cerimônia de instalação do fórum reuniu mais de 70 pesquisadores no MDIC. “A maioria dos presentes estava acostumada a freqüentar o MCT. O fato de a reunião ter sido no MDIC foi emblemático: sinaliza que a área de biotecnologia abre oportunidades de negócios para o país”, comentou José Fernando Perez, diretor científico da FAPESP, que participou do encontro.
A notável expansão das pesquisas biotecnológicas no país nos últimos anos e o vigor do ainda pequeno parque bioindustrial nacional motivaram a instalação do fórum. Em 2001 estavam em operação no Brasil 354 empresas de biotecnologia – mais da metade de pequeno porte -, com faturamento estimado entre R$ 5,4 bilhões e R$ 9 bilhões, de acordo com levantamento da Fundação Biominas. Juntas, essas empresas geravam um total de 27.825 postos de trabalho.
Na área de pesquisa, o Brasil é o segundo maior contribuinte de seqüências de genes humanos em bancos de dados internacionais, e a pesquisa avança rapidamente na identificação de genes responsáveis por doenças que comprometem a produção de laranja, cana-de-açúcar, produtos de peso na pauta de exportação brasileira.

Fonte: Agência Fapesp

Europa investirá 98 mi de euros em testes de vaca louca

A União Européia (UE) alocará 98,1 milhões de euros em testes contra a vaca louca nos rebanhos das 25 nações do bloco, com o objetivo de prevenir novos casos da doença na região. Os recursos virão do orçamento da UE destinado a controle de doenças animais, de 188 milhões de euros em 2005.
Pelas regras da UE, todo o gado para consumo humano mais velho do que 30 meses deve ser testado para a doença da vaca louca. A União Européia ajuda a bancar os testes, que também são pagos em parte pelos governos de cada país. O objetivo da UE é melhorar os controles sanitários dos rebanhos em 2005.

Fonte: Visão Pecuária

Embrapa lança publicações do Programa de Alimentos Seguros

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento lançou, essa semana, a série de manuais destinados à implantação das Boas Práticas Agrícolas e Agropecuárias, que tem como principais focos a segurança dos consumidores, dos alimentos do campo à mesa, do meio ambiente, dos trabalhadores rurais, alimentar e nutricional, dentro de um enfoque sistêmico, com sustentabilidade.
A série, composta por 18 manuais e quatro vídeos sobre onze culturas priorizadas nessa primeira fase do Programa as como alface, cenoura, caju, melão, maçã, uva de mesa, pimenta-do-reino, castanha-do-brasil, café, milho e amendoim, e dois da área animal sobre leite e ovos, segmentos produtivos e suas respectivas metodologias, processos e boas práticas, vai ser utilizada para capacitar os pequenos produtores rurais para que haja uma produção segura dos alimentos do campo até fase de comercialização.
Desenvolvidos por várias unidades da Embrapa, em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), e com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), visa atender o Programa de Alimentos Seguros – Setor Campo.
Segundo o diretor-presidente da Embrapa, Clayton Campanhola, esse programa tem uma grande preocupação com a segurança do consumidor, o que tem levado a um redirecionamento das atividades de P e D, visando o controle de micotoxinas, e de bactérias danosas à saúde como salmonelas e coliformes, bem como o controle de efeitos residuais ocasionados pela aplicação desordenada de agrotóxicos.
“É mais um desafio para os produtores, o que se constitue num fator de competitividade, de racionalização dos custos de produção e de recursos naturais, que através desse programa de alimentos seguros a pesquisa tem conseguido demonstrar na prática o conceito de sustentabilidade nas cadeias do agronegócio”, afirma Campanhola. “Essa questão de considerar o processo de produção no que se refere ao uso de insumos com relação à qualidade ambiental passa a ser um fator diferencial de mercado, para evitar barreiras não tarifárias nos nossos produtos de exportação”, complementa.
O presidente do Sebrae, Silvano Gianni, acredita que é essencial primar por um manejo seguro dos alimentos. “Não adianta obter procedimentos corretos na linha da produção dos alimentos se suas matérias-primas não são plantadas e colhidas também corretamente”, disse.
O ministro interino da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Amauri Dimárzio, acredita que o programa é um salto para a rastreabilidade da produção dos alimentos. “Com isso, melhora não apenas a qualidade desses alimentos como, também, aumenta a renda dos produtores, as exportações e auxilia no combate à fome no Brasil”, conclui.
Na próxima etapa do PAS-Setor Campo, fortalecido pela inclusão do MAPA e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), será desenvolvido um consistente processo de capacitação de pessoal, com a realização de seminários e cursos de formação de multiplicadores e instrutores, palestras e cursos para produtores rurais, treinamento de técnicos e implantação orientada nas propriedades rurais, além da elaboração de manuais específicos para outras culturas agrícolas e área animal, informou Afonso Celso Candeira Valois, coordenador do PAS-Setor Campo na Embrapa.
Atualmente, já desenvolveram ações no PAS-Setor Campo as seguintes unidades descentralizadas: Embrapa Agroindústria de Alimentos, Embrapa Gado de Leite, Embrapa Meio Ambiente, Embrapa Milho e Sorgo, Embrapa Amazônia Ocidental, Embrapa Amazônia Oriental, Embrapa Amapá, Embrapa Acre, Embrapa Roraima, Embrapa Café, Embrapa Hortaliças, Embrapa Transferência de Tecnologia, Embrapa Gado de Corte, Embrapa Informação Tecnológica, Embrapa Suínos e Aves, Embrapa Algodão, Embrapa Tabuleiros (UEP de Alagoas), Embrapa Semi-árido, Embrapa Agroindústria Tropical, Embrapa Florestas, Embrapa Soja e Embrapa Uva e Vinho.
Histórico
Sebrae e Senai iniciaram o programa em abril de 1998, inicialmente denominado Projeto APPCC (Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle), que posteriormente passou a se chamar PAS (Programa de Alimentos Seguros), com o objetivo de levar às micro e pequenas empresas materiais instrucionais, capacitação e apoio na implantação de modernas ferramentas, abrangendo toda a cadeia produtiva de alimentos. Posteriormente, o PAS passou a contar com novos parceiros como, a Embrapa, Sesi, Sesc, Senac, Senar e Anvisa.
A indústria alimentícia foi o primeiro foco do programa e ganhou a denominação de PAS-Setor Indústria. Em 2001, o programa passou a contemplar os produtos prontos para o consumo. Assim foi o criado o PAS- Setor Mesa, voltado a bares, restaurantes, lanchonetes etc.
Em 2002, os produtos do campo foram o terceiro foco do programa, que foi chamado PAS-Setor Campo, voltado aos produtores rurais. O PAS-Setor Indústria e o PAS-Setor Mesa já capacitaram técnicos de mais de sete mil empresas, das quais 90% são micro e pequenas. No momento, mais de 3.500 dessas empresas estão implantando as ferramentas Boas Práticas e o Sistema APPCC em seus processos produtivos.
O PAS-Setor Campo tem o objetivo de atender a crescente exigência de qualidade e segurança dos consumidores dos mercados interno e externo em relação aos produtos alimentícios. A indústria de alimentos e o segmento de bares, restaurantes e lanchonetes já são atendidos pelo PAS-Setor Indústria e PAS-Setor Mesa, que são geridos nos estados pelos parceiros.
Devido à atuação do Sebrae nos Arranjos Produtivos Locais (APLs), as metodologias e materiais do PAS estão sendo utilizados nas ações desses arranjos, possibilitando a disseminação dos objetivos do programa em relação à segurança dos alimentos, que se somam às ferramentas de gestão financeira e empresarial, que também são levadas aos micro e pequenos empresários de várias localidades, junto com o PAS.
O que é o PAS-Setor Campo
O PAS-Setor Campo foi concebido através de convênio de cooperação técnica e financeira em 12 março de 2002, firmado entre o SENAI, SEBRAE e Embrapa, para orientar os produtores, técnicos e empresários da produção primária na adoção de boas práticas agrícolas e boas práticas agropecuárias (BPA), usando os sete princípios de APPCC (análise de perigos e medidas preventivas, identificação dos pontos críticos de controle (rastreabilidade), estabelecimento dos limites críticos, estabelecimento dos procedimentos de monitoração, estabelecimento das ações corretivas, estabelecimento dos procedimentos de verificação (rastreabilidade) e estabelecimento dos procedimentos de registros), para mitigar ou evitar os perigos físicos, químicos e biológicos nos alimentos.
Resultados
No Acre, os produtores de castanha-do-brasil já estão controlando a ocorrência de aflatoxinas no produto, elevando o preço da lata de R$ 1,50 para R$ 19,00 com vistas ao processo de exportação.
Elizabete Antunes 
bete@sede.embrapa.br

Fonte: Embrapa

Primeira Dama conheceu clone da Embrapa

A Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, uma das 40 unidades de pesquisa da Embrapa, empresa vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, recebeu ontem, dia 19 de outubro, a visita da Primeira Dama da República, Dona Marisa Letícia Lula da Silva. Ela esteve acompanhada do assessor especial da Presidência da República, José Grazziano, do Diretor Presidente da Embrapa, Clayton Campanhola, e do Chefe Geral da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, José Manuel Cabral entre outros representantes da Empresa, e conheceu diversas pesquisas que vêm sendo desenvolvidas nas áreas de recursos genéticos, controle biológico de pragas e biotecnologia, incluindo o clone bovino “Lenda da Embrapa”, que completou um ano no dia 6 de setembro deste ano, e foi desenvolvida a partir de células ovarianas de uma vaca morta.
Na área de conservação de recursos genéticos, a Primeira Dama conheceu os bancos de menta e orquídea, onde pôde conhecer de perto a extensa variabilidade genéticas dessas duas espécies. Conheceu também o trabalho que vem sendo desenvolvido para cultivo de cogumelos comestíveis e medicinais através da tecnologia chinesa Jun-Cao, que foi adaptada para o Brasil pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia e permite baratear o cultivo pois utiliza substratos de gramíneas, ao invés de toras de madeira como nos meios de cultivo tradicionais.
Na área de controle biológico de pragas, Dona Marisa conheceu o bioinseticida Sphaerus SC, desenvolvido pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, em parceria com a empresa privada Bthek Biotecnologia, para controlar o mosquito transmissor da malária e o mosquito urbano, ou pernilongo. Esse produto foi desenvolvido a partir de uma bactéria recomendada pela Organização Mundial de Saúde, específica para combater o mosquito, e que portanto, não faz mal à saúde da população e ao meio ambiente.
A Primeira Dama conheceu também pesquisas de biotecnologia vegetal, como a produção de plantas transgênicas que serão usadas como vacinas no controle de inúmeras doenças humanas. Já estão em fase de desenvolvimento, em parceria com universidades e instituições de pesquisa, plantas de soja com gene que estimula o hormônio do crescimento; com anticorpo anticâncer de mama e de alface com um gene para controlar a diarréia infantil. Nessa área, ela viu ainda os biorreatores, que são sistemas de produção de mudas com muito mais rapidez, segurança e economia .
Por fim, na área de biotecnologia da reprodução animal, Dona Marisa conheceu as pesquisas de clonagem, culminando com a visita ao segundo clone bovino desenvolvido pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia: a fêmea bovina “Lenda da Embrapa” da raça holandesa, que já está com mais de um ano, e foi desenvolvida a partir de células ovarianas de uma vaca de alto valor reprodutivo que já estava morta.

Fernanda Diniz
fernanda@cenargen.embrapa.br

Fonte
Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia
http://www.cenargen.embrapa.br

II Seminário de Gestão Ambiental na ESALQ

A segunda edição do Seminário para Integração em Gestão Ambiental – SIGA acontece na Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (USP/ESALQ), nos dias 22, 23 e 24 de outubro. A realização é da Comissão de Alunos de Gestão Ambiental (CAGeA).
Criado no ano passado, o SIGA visa promover o encontro e a interação de estudantes, representantes de ONGs, empresas, setor público e demais interessados através de suas experiências e tecnologias na área ambiental. Outro importante objetivo é divulgar o curso de Gestão Ambiental da ESALQ-USP, através das atividades político-pedagógicas desenvolvidas pelos graduandos desse curso e sua formação multidisciplinar.
Diversas atividades estão programadas para o evento, que será realizado no Pavilhão da Engenharia, da ESALQ, das 8 às 18 horas, entre elas conferências, mesas-redondas e exposições de painéis, abordando variados temas e contribuindo para o enriquecimento do debate sobre a gestão ambiental.
Para os interessados em participar, a taxa de inscrição para todas as atividades é de: R$ 40,00 para Profissional, R$ 20,00 para Estudante, R$ 18,00 para Sócio de Centros Acadêmicos da ESALQ, R$ 15,00 para Sócio do CAGeA.
As inscrições e a programação completa do II SIGA pode ser encontrada no site: http://www.gestaoambiental.org.br.
Mais informações pelos telefones (19) 3433.6152 e (11) 9265.1211 ou pelo e-mail siga@cagea.org.br.  
Marcelo Basso
marcelot@esalq.usp.br  

Fonte: USP ESALQ

A Biodiversidade para a Segurança Alimentar é o tema da Semana da Alimentação 2004

As ações desenvolvidas no Brasil para celebrar o Dia Mundial da Alimentação, 16 de outubro, se estenderão por uma semana e irão até o dia 22 deste mês. O Dia Mundial da Alimentação foi criado em 1981 para sensibilizar toda a sociedade sobre o grave problema da fome no mundo. Celebrada em mais de 150 países, a data marca a criação da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), em 1945.
O tema escolhido para este ano foi A Biodiversidade para a Segurança Alimentar. A abertura das atividades em comemoração ao Dia Mundial da Alimentação, realizada em Brasília, contou com a presença do Diretor-Geral da FAO, Jacques Diouf. Segundo ele, explorar a riqueza da biodiversidade do nosso planeta é uma das chaves para acabar com a fome. “Entretanto, a biodiversidade mundial está ameaçada, podendo comprometer severamente a segurança alimentar global. A FAO estima que cerca de três quartos da diversidade genética dos cultivos agrícolas foram perdidas durante o século passado. Portanto, o abastecimento de alimentos torna-se mais vulnerável; há menos possibilidades de crescimento e inovação na agricultura, cuja capacidade para se adaptar às mudanças ambientais, tais como o aquecimento do planeta ou o aparecimento de novas pestes e doenças, diminui”, afirmou.
Entre as ações que celebram a Semana está a distribuição de cerca de 54 milhões de cartilhas com dicas de alimentação saudável para todas as escolas públicas do Brasil. Os guias serão acompanhados de 700 mil manuais para os professores. O material faz parte de um projeto que o presidente Lula lançou na última sexta-feira, intitulado “Criança Saudável, Alimentação Dez”.
Leia o discurso (em PDF*) de Jacques Diouf, Diretor-Geral da FAO, na íntegra.
(*) Para ler o discurso em arquivo PDF é necessário ter o software Acrobat Reader, distribuído gratuitamente pela Adobe no endereço http://www.adobe.com.br.

Fonte: Instituto Akatu

Circuito Boi Verde avalia rebanho de Nova Andradina

A 13ª etapa do 2º Circuito Boi Verde de Julgamento de Carcaças (CBV) – realizado entre os dias 29 de setembro e 1 de outubro na unidade do frigorífico Independência Alimentos, em Nova Andradina (MS) – reuniu 13 importantes pecuaristas na série de avaliações que têm como objetivo integrar a cadeia nacional do Nelore e mapear o desempenho da raça nos Estados brasileiros. O evento promovido pela ACNB – Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (www.nelore.org.br), contou com 762 animais inscritos.
O pecuarista Antônio Russo Neto (Fazenda São Miguel da Catequese) apresentou o melhor lote no Julgamento “In Vivo”. Já o Julgamento Carcaça Quente ficou para Renato Eugênio Rezende Barbosa (Fazenda Campanário) e o Julgamento Carcaça Resfriada foi conquistado por Vicente Ribeiro Garcia (Fazenda Pirangi).
O padrão esperado dos animais é de zero a seis dentes incisivos permanentes (até 40 meses), com peso entre 16 e 19@ e cobertura de gordura de 3-6 mm de espessura.
Essa foi a etapa com maior número de animais inscritos deste ano. Acompanhe abaixo os vencedores do Circuito Boi Verde de Julgamento de Carcaças, etapa Nova Andradina:
Vencedores

Julgamento In Vivo

Melhor Lote _In Vivo_
Campeão: Antonio Russo Neto _ Fazenda São Miguel da Catequese
Reservado Campeão: Renato Eugênio Rezende Barbosa _ Fazenda Campanário

Julgamento Carcaça Quente

Melhor Lote de Carcaça
Campeão: Renato Eugênio Rezende Barbosa _ Faz. Campanário
Reservado Campeão: Vicente Ribeiro Garcia _ Faz. Pirangi

Julgamento Carcaça Resfriada

Melhor Carcaça (Rendimento estimado da desossa)
Campeão: Vicente Ribeiro Garcia _ Faz. Pirangi
Reservado Campeão: Eulália Thereza Moraes – Fazenda Nossa Senhora Auxiliadora
Próximas datas
A próxima etapa do Circuito Boi Verde acontece no FRISA – Frigorífico Rio Doce S/A em Colatina (ES), nos dias 17, 18, 19 e 20 de novembro.
O Circuito Boi Verde é uma iniciativa da Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB) e conta com o patrocínio da Tortuga Companhia Zootécnica.

William Parron
sandra@contatocom.com.br
Fonte
ContatoCom
http://www.contatocom.com.br

Frefer Occhialini promove Leilão de Liquidação de Fêmeas Doadoras

A nata do Nelore será ofertada durante o Leilão de Liquidação de Plantel PO Frefer Occhialini, agendado para sábado, 11 de dezembro, às 12h, na Arena Bertin, na cidade de Lins (SP). Na ocasião serão leiloados 70 lotes de fêmeas elite prenhes ou paridas, de excelente qualidade, uma vez que a Frefer produz animais diferenciados tanto em precocidade como em funcionalidade, como os premiadíssimos Apolo e Jamal da Frefer.
Apolo bateu recordes e conquistou cinco grandes campeonatos
Ourinhos, Araçatuba, Três Lagoas, Presidente Venceslau e Londrina, além de ter sido considerado o Segundo Melhor Macho Adulto do ranking nacional da ACNB, em 1994. Outro produto da Frefer foi Jamal, filho do Campeão Enlevo da Morungaba. Jamal conquistou o título de Grande Campeão da Expoinel 2002 e Melhor Macho Adulto do Ranking ACNB 2001 e 2002. Touro de rara beleza, Jamal apresenta um pedigree extraordinário, trazendo consigo grandes nomes da raça Nelore – Panagpur x Ganhoso x Tabadã POI Zeb VR. Comercializado no Leilão JM 2001, aos 11 meses, Jamal obteve preço recorde de bezerro: R$ 210.000,00.
Os raçadores da Frefer produziram fêmeas de alta fertilidade e habilidade materna, hoje doadoras destaque do plantel. Estas fêmeas elite, prenhes ou paridas estarão disponíveis no remate de liquidação, cuja assessoria técnica será da Ipe Ouro e Avanti, responsáveis pelo aparte do gado.
Qualidade e Tradição na seleção do Nelore
A Frefer Occhialini Agropecuária começou selecionar Nelore em 1984 na região de Presidente Prudente, SP, com a intenção de produzir animais diferenciados, tanto na precocidade quanto na funcionalidade, para que esses exponenciais fossem transferidos também ao rebanho comercial de Camapuã (MS). A empresa viu-se motivada a redirecionar os critérios dessa seleção em novembro de 1991, com o nascimento de Apolo da BE (Frefer), touro perfeito na caracterização racial, com dados superiores aos encontrados em pesagens oficiais da Associação: mais de 1.300 g/dia.
O touro transformou-se em um referencial na atividade produtiva dos animais comerciais, em Presidente Prudente e no Mato Grosso. “Participamos de 14 edições dos leilões do Criador e do Fazendeiro, em Camapuã (MS) e obtivemos 24 premiações, entre 1º e 3º lugares. Em 2003, o preço recorde da venda de um lote de 25 bezerros comerciais, de 8 meses de idade, alcançou o valor unitário de R$ 2.900,00. As premiações são resultado de um trabalho rigoroso de seleção do plantel”, comenta Maria Angela Freire, titular da Fazenda Frefer.
A Frefer Occhialini também realizou várias aquisições de genética diferenciada, incorporando ao plantel animais de grandes selecionadores, como Rubico Carvalho, Jayme Miranda, José Luiz Niemeyer, Lúcio Costa, Alberto L. Valle Mendes, Jonas Barcellos, Arnaldo Manuel Borges, Cláudia Tosta Junqueira, Sílvio Propheta de Oliveira, além das liquidações de plantel do Tonico Carvalho (Fazenda Buracão) Luiz Zillo e Pery Igel (Imavem). A Frefer iniciou sua seleção com as linhagens da Nova Índia e Brumado, que serviram de base para a constituição atual do plantel de 300 matrizes, selecionadas criteriosamente ao longo destes anos pelo Dr. Arnaldo Manuel Borges (Arnaldinho).
Além da inseminação artificial, a Frefer realiza coleta, transferência de embriões e fertilização“ in vitro” (FIV). Em 2003 nasceram 450 animais provenientes dessas tecnologias.
Esse é o trabalho genético que será ofertado, sem reserva, a todos os criadores que, assim como a Frefer Occhialini, seguem o propósito do melhoramento da raça nelore.
Os animais estarão expostos para visita a partir do dia 10 de dezembro, no Recinto Bertin, em Lins (SP).

Ficha Técnica

Evento: Leilão de Liquidação de Plantel PO Frefer Occhialini Agropecuaria
Data: 11 de dezembro de 2004
Horário: 12h
Local: Quality Resort Convention Center – Arena Bertin – Anexo “Atlântica Hotel International” – Cidade de Lins –São Paulo
Endereço: Rodovia Marechal Rondon, Km 443,3
Assessoria Técnica: Ipe Ouro e Avanti
Martelo: João Gabriel e Nilson Genovese
Leiloeira: Programa Leilões
Informações: (43) 3373-7077 ou (11) 3079-3660
Transmissão ao vivo: Canal Rural
Site: http://www.foagropecuaria.com.br  

Silvia Alves
sandra@contatocom.com.br

Fonte
ContatoCom
http://www.contatocom.com.br

PIB da agropecuária deve crescer 4,2% em 2004

Um estudo da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea/USP) indica que o Produto Interno Bruto (PIB) da agropecuária deve aumentar 4,2% este ano. Trata-se de um crescimento superior ao do conjunto do agronegócio, que envolve também os setores de insumos, distribuição e indústria ligados à atividade rural, projetado em 3,2%. O destaque fica por conta da pecuária, cuja expansão deve atingir 5,9%. Os problemas climáticos e da ferrugem na soja devem limitar o crescimento da agricultura a 3,13%.
O PIB da agricultura está estimado em R$ 97,78 bilhões, enquanto o da pecuária deve alcançar R$ 67,14 bilhões. Ao todo, o agronegócio brasileiro deve atingir R$ 524,8 bilhões em 2004. Em nota à imprensa, o chefe do Departamento Econômico (Decon) da CNA, Getúlio Pernambuco, disse que os setores com maiores índices de crescimento estão colhendo os resultados do aumento das exportações, uma vez que “a demanda interna está reprimida”.
Getúlio baseia-se em outro estudo realizado pela CNA, que calcula o faturamento dos 25 principais produtos da agropecuária. Conforme apura o cálculo do Valor Bruto de Produção (VBP), a receita dos produtos do setor de carnes deve atingir R$ 66,4 bilhões este ano, 3,5% a mais que no ano passado. A projeção é realizada a partir dos resultados acumulados durante o primeiro semestre. O faturamento do setor de suínos deve atingir R$ 6 bilhões, 15,4% a mais que no ano passado, fruto do aumento do volume produzido e elevação dos preços médios. Na agricultura, há resultados positivos para o VBP de produtos voltados ao mercado externo. O faturamento do complexo soja deve saltar de R$ 35,4 bilhões, em 2003, para R$ 39,1 bilhões, este ano. Já o VBP da batata, produto consumido internamente, cai de R$ 2,4 bilhões para R$ 1,4 bilhão.

Fonte: Agrinova Web

Aberta a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

Para marcar a abertura da I Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, a Embrapa Pantanal, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, realizou nessa segunda-feira (18/10), uma solenidade de lançamento do evento, onde foram homenageadas empresas e instituições locais, que durante esse ano incentivaram e colaboraram com a realização de projetos de pesquisa e de transferência de tecnologia. Durante o evento, também aconteceu o lançamento oficial do IV Simpósio de Recursos Naturais e Sócio-econômicos do Pantanal (Simpan), que acontece de 23 a 26 de novembro e está sendo realizado pela Embrapa Pantanal, Sebrae/MS, UCDB/IESPAN e UFMS.
As instituições homenageadas foram: Banco do Brasil, Frigorífico Urucum, Colégio Objetivo, Pantagro, Real H, Valle, Restaurante Antonellos, Sebrae/MS, UCDB/IESPAN, UFMS, Canaã Turismo, Sindicato Rural, Baís do Chopp, Posto 10, Fast Trade, Associação Comercial e Industrial de Corumbá, Acert, Colégio Objetivo, Supermercado Panoff e como palestrante homenageado, prof. Moacir Lacerda. Após o evento, os homenageados tiveram a oportunidade de visitar as instalações da Embrapa Pantanal.
Para a chefe geral da Embrapa Pantanal, Emiko Kawakami de Resende, a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia se caracteriza como um momento especial para as pesquisas científicas, visto que seu objetivo consiste na mobilização da população, em especial as crianças e os jovens, para aprendizado sobre a pesquisa científica. “Um país só desenvolve se forem feitos investimentos em pesquisas científicas. As tecnologias desenvolvidas, através da ciência, podem contribuir para que o Brasil se torne em país desenvolvido”, completou Emiko. Durante a solenidade, alguns representantes das instituições homenageadas ressaltaram a importância da Embrapa.
Para a diretora administrativa do Colégio Objetivo, Terezinha Baruki, a Embrapa Pantanal, através dos estágios, vem contribuindo com o incentivo de alunos no sentido de serem futuros pesquisadores. O gerente do Banco do Brasil de Corumbá, José Luiz Igrecias, por sua vez, afirmou que “a Embrapa, enquanto órgão que contribui para o desenvolvimento tecnológico de nosso país, é uma das grandes responsáveis pelo sucesso do agronegócio brasileiro”.
Atividades da Semana
Durante toda essa semana (19 a 22.10), das 8hs às 11hs e das 14hs às 17hs, a Embrapa Pantanal estará de portas abertas para receber a comunidade interessada em conhecer as atividades realizadas pela instituição. “Com o objetivo atender a comunidade montamos o ‘Espaço Tecnologias’, um local onde os visitantes podem conhecer nossas linhas de pesquisa. Além disso, os interessados também podem conhecer a Unidade”, explicou o Chefe da Área de Comunicação e Negócios, José Robson Sereno.
Christiane Rodrigues Congro
congro@cpap.embrapa.br

Fonte: Embrapa Pantanal